quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

III Seminário: Preconceito na fala, preconceito na cor

26, 27 e 28 de maio de 2010
Horário : 8 às 12 e 14 às 17 h

Local - Casa de Angola - Bahia
Praça dos Veteranos – Salvador – BA - Brasil

Apoio: UFBa e Uneb

Acesse: http://falaneguinhofala.blogspot.com
Inscrição: preconceitonafalaenacor@bol.com.br

Os organizadores do evento querem uma identidade e um nível de igualdade entre as pessoas, independente da cor, que caracteriza as mais variadas formas de preconceito, seja linguístico, racial, religioso ou social.

Nesse seminário, ouviremos e aprenderemos com professores de outros estados, tendo como palestrante de abertura, o Prof. Dr. Kabengelê Munanga – USP/FFLCH. Presenciaremos fatos e histórias, revisaremos memórias e, talvez, percebamos os meios que temos para mostrarmos e vivenciarmos o passado num presente alegre, real e atual.

Contamos com sua presença!

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Convite DIMUS: Exposição PANÁFRICA

Aluna quilombola aprovada no vestibular da UFBA



“Todo esforço, luta e sacrifícios de minha mãe foram recompensados”, comemora Zilma Alves Santos. A estudante, moradora da comunidade quilombola de São Joaquim de Paulo, povoado de Barrocas, em Vitória da Conquista, acaba de ser aprovada no vestibular da Ufba para o curso de Farmácia.

A jovem de 22 anos é uma das alunas do cursinho pré-vestibular quilombola, criado em 2009, pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, através da coordenação de Políticas Especiais de
Inclusão. O cursinho funciona três vezes por semana, no auditório da Agência Municipal de Desenvolvimento/ADTR, e oferece, além do currículo tradicional, a disciplina "Cidadania e Consciência Negra", com o objetivo de trabalhar a auto-estima e temas relacionados à negritude.

Para Zilma o apoio da prefeitura municipal foi fundamental para realização do sonho de ingressar no ensino superior.
“Se não fosse a prefeitura oferecendo o espaço para as aulas do cursinho eu não passaria no vestibular”, disse.

Além do local para as aulas, a administração municipal garante aos estudantes remanescentes de quilombos o transporte e o acompanhamento pedagógico.

A caloura da Ufba deixa um recado para os jovens quilombolas que desejam cursar uma faculdade: “Não desistam dos seus
sonhos, tentem. Procurem a Associação da Juventude Quilombola, matriculem-se no cursinho e vocês verão que é possível”.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Iphan lança este mês livro que mapeia terreiros onde se praticam o Candomblé e a Umbanda no DF

Do portão, já é possível perceber que esta não é uma chácara como as da vizinhança. Pequenas casas de alvenaria estão espalhadas pelo terreno, em torno de um grande barracão. Sobre ele, uma bandeira branca celebra a paz. As centenas de árvores são decoradas com tiras de pano que envolvem o tronco, representando uma reverência à natureza. Ao fundo, escuta-se o som da água que corre a partir de um córrego ou de uma nascente ? símbolo da vida para os visitantes do local. Estamos em uma casa de Candomblé, ambiente desconhecido pela maioria dos brasilienses.

Para preservar e divulgar a cultura e as religiões de matrizes africanas, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) vai lançar neste mês o livro Inventário dos terreiros do Distrito Federal e Entorno. A publicação conta a história e revela segredos dos principais locais de culto da capital federal.

A publicação será distribuída gratuitamente em bibliotecas, órgãos públicos e também entre pesquisadores e interessados pelo universo do Candomblé e da Umbanda. Durante a pesquisa, as equipes do Iphan identificaram e catalogaram 26 terreiros em várias cidades do Distrito Federal e do Entorno.

Pelas suas características, as casas de culto costumam ficar em locais mais afastados e de difícil acesso, como chácaras de áreas rurais. Todas realizam, com frequência, festas públicas, além de prestarem serviço de aconselhamento espiritual particular.

É o caso do terreiro Ilê Axé Opô Afonjá - Ilê Oxum, comandado por Railda Rocha Pitta, 72 anos - conhecida por todos como Mãe Railda. Construído em um amplo terreno em Valparaíso, a 45 quilômetros do centro de Brasília, a casa é uma das mais tradicionais da região e recebe até deputados e ministros de Estado.

Fundado em 1972, o terreiro começou com a doação do lote por um amigo pessoal de Mãe Railda. Ao longo das últimas quatro décadas, ela consolidou a estrutura que hoje consiste em um grande barracão e nas casas dos orixás espalhadas pelo lote.

Reconhecimento

Mãe Railda conta que decidiu abrir o terreiro em Brasília por orientação de Mãe Menininha do Gantois - que foi uma das mais famosas representantes brasileiras do Candomblé. "Ela abriu o jogo de búzios para mim e disse que eu havia sido escolhida por Xangô. Mãe Menininha me garantiu que eu teria um terreiro grande em Brasília para cuidar do povo", relembra Railda.

De tão reconhecida, ela é frequentemente chamada para representar o Candomblé em cerimônias oficiais. Nas paredes da casa, há fotos da mãe de santo com o presidente Lula e com ministros e ex-ministros como Celso Amorim e Gilberto Gil. Também estão pendurados o diploma de cidadã honorária e o de integrante do Clube dos Pioneiros do Distrito Federal.

Uma forma de lutar contra o preconceito

O superintendente do Iphan no DF, Alfredo Gastal, conta que a preocupação do instituto com a preservação dos terreiros tradicionais começou há 25 anos, com o tombamento de uma das casas mais antigas de Salvador, a Casa Branca. "Nós, brasileiros, tivemos influência europeia, asiática, mas a cultura negra permeou absolutamente todos os aspectos das nossas vidas. Não podemos ignorar a importância dessa contribuição", destaca Gastal.

Ele acredita que a divulgação do inventário dos terreiros do Distrito Federal vai ajudar a reduzir o preconceito da sociedade em torno das religiões de matriz africana. "O estudo é uma forma de esclarecer quem nós somos. Não podemos aceitar no Brasil nenhum tipo de preconceito religioso, cultural ou racial. Somos feitos de uma mescla de gente de uma riqueza fantástica", finaliza o superintendente do Iphan.

Um dos exemplos do preconceito citado por Gastal foi a destruição das imagens dos orixás da Prainha, no Setor de Clubes Sul. De autoria do artista plástico Tatti Moreno, as obras de arte que simbolizavam os orixás foram queimadas e decapitadas, provavelmente por questões religiosas. As esculturas foram recuperadas e recolocadas no fim do ano passado. Hoje, a movimentação na área é monitorada por câmeras de segurança.

O trabalho do Iphan em Brasília e no Entorno começou em 2008 e foi fruto de uma parceria entre as superintendências do órgão no Distrito Federal e em Goiás. A primeira etapa consistiu no levantamento preliminar dos terreiros em atividade. A medida atendeu a uma demanda dos próprios adeptos, ansiosos pelo reconhecimento e valorização do patrimônio cultural vinculado às religiões afro-brasileiras.

Para Roberval Marinho, praticante do Candomblé e pesquisador reconhecido da área, a preservação da memória do Candomblé e da Umbanda é importante para lutar contra o preconceito. "Muita coisa da cultura e da religião já se perdeu. Esse estudo do Iphan é de grande importância para lutar contra esses ataques religiosos contra os cultos de origem africana", explica Roberval, conhecido como Babalaô Roberval de Ogum.

Outro terreiro incluído no livro do Iphan é o Axé Bara Leji, ou Centro Espírita do Pai Tito. Criado em 1973, em Taguatinga, e depois transferido para uma chácara em Santo Antônio do Descoberto, o centro é hoje comandado por Fernando César Trindade de Aguiar, o Pai Fernando de Oxoguian. Além dos trabalhos culturais e religiosos, o terreiro tem uma forte atuação social na comunidade - uma característica comum a várias casas de culto.

"Fazemos esses projetos sociais com recursos próprios. O Candomblé é um culto a tradições e culturas milenares. Nossa religião tem uma tradição cultural e social muito grande", destaca Pai Fernando.

"Nós, brasileiros, tivemos influência europeia, asiática, mas a cultura negra permeou absolutamente todos os aspectos das nossas vidas. Não podemos ignorar a importância dessa contribuição". Alfredo Gastal,superintendente do Iphan no DF

Fonte: Correio Braziliense - 07/02/2010