quarta-feira, 30 de julho de 2008

Símbolos religiosos

Esta foto simboliza o sincretismo religioso do povo baiano.

domingo, 27 de julho de 2008

sábado, 26 de julho de 2008

Visitantes do mundo todo

Esta semana, registramos visitas de vários países neste blog, inclusive o Brasil, Portugal, Canadá, Holanda, Inglaterra, Estados Unidos, Suécia e Espanha. Este mês também tivemos visitantes de Moçambique, Angola, Argentina, Dinamarca, Uruguai e o Japão. Sejam bem-vindos!

O negro e a moda: a Vogue brasileira

A lógica do mercado se vale da justificativa de que não existem consumidoras negras suficientes para que as passarelas de moda e a publicidade apresentem mais modelos negros.
Na postagem trato desta questão e apresento uma enquete sobre o tipo de iniciativa cabível.
Belezas Negras ou http://belezasnegras.blogspot.com
Para conhecer a afroblogosfera brasileira visite tb Afroblogs
--
José Ricardo

Fotos de Obama em Berlim e no Oriente Médio

www.guardian.co.uk/world/gallery/2008/jul/20/obama.afghanistan?picture=335984656

ONG Omi-Dùdú


Visite o website da ONG Omi-Dùdú - Resgate e Preservação da Cultura Afro-Brasileira

Rapper Nas protesta racismo da rede Fox News

quinta-feira, 24 de julho de 2008

A HISTÓRIA QUE EU VI

Palestra: “MUSEU QUE EU QUERO”


Palestrante: Ebomi Cidália


Convidada Especial: Dra. Thereza Pacheco


Além de Debatedores


Temática:

O Museu Nacional da Cultura Afro-Brasileira – MUNCAB e o acervo religioso do Candomblé – impedimentos e possibilidades.


Objetivo:

A referida palestra terá como finalidade elaborar atributos fundamentais que possibilitem a abordagem ou a exposição de material relativo às religiões de matrizes africanas de modo adequado, possibilitando ao freqüentador do museu, informações básicas para a compreensão dos parâmetros fundamentais deste segmento religioso.


Breve apresentação de Ebomi Cidália

Cidália Barbosa Soledade – a Ebomi Cidália, nasceu na cidade do Salvador, Bahia, em 19 de fevereiro de 1930. é conhecida como a “Enciclopédia” do candomblé, por possuir um grande repertório de conhecimentos dessa religião afro-brasileira. O nome Ebomi vem em decorrência do seu cargo no Ilê Iyá Omin Axé Iyá Massê – O Terreiro do Gantois, completando em outubro de corrente ano, 70 anos de vida religiosa.

Grande parte desse período se dedicou a manter as tradições culturais e religiosas da nossa matriz africana, através da sua atuação em diversas entidades, a exemplo do Conselho do Desenvolvimento da Comunidade Negra – CDCN, fazendo palestras, seminários e conferências em espaços acadêmicos com uma linguagem fácil e contagiante, perpetuando as nossas raízes com sua vasta e brilhante memória.



PARTICIPE!


Local: SEDE DA AMAFRO

Dia: 31/08/2008 – Quinta-feira

Hora: Das 16h00 às 18h00




Coordenação: JAIME SODRÉ


Realização: AMAFRO – Sociedade Amigos da Cultura Afro-Brasileira

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Imagens do povo de santo

Será aberta na próxima terça-feira, dia 29, no auditório do Irdeb (fim de linha da Federação), a exposição fotográfica de Alberto Lima, Resistência negra na Bahia. O objetivo é discutir a participação do negro na mídia, promovendo ações que visam uma melhor inserção nas peças publicitárias de forma respeitosa e igualitária, para a valorização econômica e social dos povos da diáspora negra.

No mesmo dia e horário, palestras com Antonio Cosme e Jaime Sodré com o tema O negro na mídia. O trabalho de Alberto Lima é uma pesquisa etno-fotográfica sobre a comunidade na Bahia. Salvador é a maior cidade em população negra fora da África, com aproximadamente 82% de afrodescendentes.

As fotos são todas coloridas, apresentando o universo do povo de santo, com suas indumentárias, colares, brincos, cabelos, danças e imagens de personalidades que cultivam o candomblé. "Como explicar a sedução da fotografia? Por que ela tem o estranho poder de nos transportar para outros lugares e tempos? É a fotografia um retrato da realidade ou o recorte da mesma pelo olhar do fotógrafo? Quais os sentimentos e verdades impressas em uma imagem? Qual a sua força quando se trata de visibilizar aspectos da vida cultural de uma época ou de uma sociedade?

Essas e outras questões nos vêm à mente quando nos debruçamos sobre esse trabalho fotoetnográfico na comunidade negra soteropolitana", observa Alberto Lima. O artista busca através de suas fotografias disseminar uma cultura de consciência crítica para propor intervenções nas políticas culturais públicas e nos veículos de comunicação.

São 500 imagens digitalizadas, apresentadas em data-show, que serão projetadas durante as palestras. Haverá intervenções de alguns artistas em música (Tonho Matéria), teatro (Augusto Flávio) e poesia (Wilson Santos).

A revista Vanity Fair dá o troco

Esta sim tem graça! Pena que não será publicada na capa da revista.


http://www.vanityfair.com/online/politics/2008/07/new-yorker-cover.html

domingo, 20 de julho de 2008

Chico Buarque e o Racismo no Brasil



É fantástico que o cidadão Chico Buarque tenha a percepção exata e desafetada de que ele não é branco. Apesar de festejado pelos seus belos olhos azuis, ele se sabe mestiço, como a maioria dos brasileiros que aqui nasceram e resultam de uma mistura, que incluem europeus, africanos e indígenas. E como mestiço seria uma espécie de 'fratricídio' negar Carlinhos Brown como sendo um igual.


Chico Buarque é o tipo humano que sintetiza a história da população brasileira, mas como ele mesmo afirma na entrevista 'as pessoas não querem aceitar que ele não é branco'.

E essa desobediência civil de Chico incomoda e muito. Pois na realidade brasileira o que vemos são muitas famílias pseudo brancas, lutando para manter o que eles pensam ser 'branquitude', evitando a todo custo casarem-se com pessoas 'muito diferentes' fisicamente.

Todo mundo sabe como é...'Não somos racistas', mas vez por outra, algum 'corajoso' confessa que não gostaria de ter que passar cremes alisantes nos cabelos dos seus netos.

Tudo isso só mudará com o uso de informação adequada, principalmente para ajudar os próprios afro-descendentes, aqueles cujos traços deixam mais que evidentes a herança da Mãe África, berço da Humanidade, a mudar a percepção errônea de si mesmos, enraizada ao longo de quatro séculos, que leva à subserviência e à crença de que são incapazes ou inferiores.

É chegada a hora dos afros-decendentes de diversas matizes - pretos, quase pretos ou quase brancos - falarem por si mesmos e atingirem a sua maioridade política e social, fazendo com que esse círculo viciado e vicioso se rompa de vez.

O reconhecimento de si mesmo, como ser humano, e também dos direitos - e deveres - de cidadão, serve como um antídoto, que fortalece o indivíduo contra ideologias baseadas em ódio, egoísmo e intolerância.

A saída para ajudar a concretizar essa empreitada, pode ser a promoção, em todos os níveis da vida humana, de ações contrárias á negação da humanidade, de todos os grupos historicamente discriminados - negros, índios, homossexuais, mulheres, judeus, árabes, indianos de castas inferiorizadas.

Para todos os tipos de violências perpetradas contra seres humanos, por causa das suas 'diferenças', sejam essas violências reais ou simbólicas, torna-se necessário desenvolver ações afirmativas e positivas, que visem transformar idéias negativas e clichês sobre determinados grupos, trazendo á tona valores, costumes e contribuições que esses grupos deram á humanidade, para que o olhar sobre os mesmos mudem gradativa e incessantemente, ao longo do tempo.

Ação Afirmativa é um conceito novo, transformador, que tem como proposição revolucionar costumes, corrigindo distorções, através do conhecimento e de ações positivas, enriquecedoras e pacifistas.

Portanto, com sua atitude lúcida, solidária e positiva, o cidadão Chico Buarque demonstra ter uma visão bastante avançada, em relação ao processo de desconstrução de idéias racistas no nosso país, ao reconhecer, sem máscaras, que o seu pertencimento étnico é diverso e múltiplo.

Agora, resta saber, quando teremos uma adesão em massa, á luta anti-racista neste país.

Brasil! Mostre as suas caras!


Noêmia Duque · 17/7/2008 14:02

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Seminário Manuel Querino: Nota de Esclarecimento

Inicialmente, agradecemos a atenção e sensibilidade no entendimento da importância da realização do Seminário Nacional Manuel Querino: Vida e Obra, anteriormente programado para ser realizado entre os dias 28 de julho e 01 de agosto de 2008 na sede do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia - IGHB.

Como é de conhecimento público, a realização de um evento de tal magnitude requer uma gama de ações e negociações que possuem uma dinâmica particular, e que exigem celeridade nas decisões. Ocorre que, por um infeliz conjunto de obstáculos e contratempos burocráticos, a Fundação Cultural Palmares, nosso principal patrocinador, ficou impossibilitada de cumprir os trâmites necessários para a celebração do convênio de patrocínio. Acrescente-se que gestores públicos e alguns parlamentares que se acham embriagados pela ilusão do poder, simplesmente deixaram de se comprometer o projeto como foi o caso de atuais membros da Câmara Municipal do Salvador, instituição que contou com a participação de Manuel Raimundo Querino nos períodos legislativos de 1890/1892 e 1897/1899, na condição de primeiro negro a integrá-la.

Atendendo a pedido da Fundação Cultural Palmares, e de um sem-número de pesquisadores – incluindo alguns de nossos palestrantes –, e estudantes que se veriam na contingência de ter que optar entre comparecer ao Seminário Nacional Manuel Querino: Vida e Obra ou ao encontro da Associação Nacional dos Professores Universitários de História – ANPUH-BA, que será realizado na cidade de Vitória da Conquista – Ba, no mesmo período, a Coordenação do Seminário, em conjunto com a Presidência do IGHB, foi levada a adiar o período de realização para os dias 25 a 29 de agosto de 2008.

Afiançamos, com a mais absoluta certeza, que o adiamento será determinante para o melhor desenvolvimento do Seminário Nacional Manuel Querino: Vida e Obra.

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Notícia de última hora - Seminário Querino

O Seminário Manuel Querino: Vida e Obra, anunciado no Diário Oficial em 9 de julho, será adiado para o final de agosto. Mais notícias em breve.

quarta-feira, 16 de julho de 2008

“DENDÊ – GASTRONOMIA & Cultura da Bahia”

II SEMINÁRIO DE GASTRONOMIA
“DENDÊ – GASTRONOMIA & Cultura da Bahia”

Data: 14 de agosto de 2008.
Local de realização: TEATRO SESC/SENAC – Pelourinho.

Público Alvo: Profissionais e alunos das áreas de Gastronomia, Nutrição, História, Turismo e Hospitalidade.

Programação:

09h - CREDENCIAMENTO.

09h30min - ABERTURA SOLENE-
Direção Senac-Bahia
Coordenador do Seminário – Raul Lody
Exibição do Documentário – “AJEUM DENDÊM - Etnografia do Dendê.“

09h45min – CONFERÊNCIA.
TEMA: O Dendê no Brasil e no Mundo - aspectos agronômicos, econômicos e ecológicos.
Palestrante: Hermano Peixoto Oliveira – Biólogo, professor tendo participado do grupo de Cooperação técnica da rede Latino Americana de Palma Aceitera.

10h45min – CONFERÊNCIA.
Tema: O Azeite de Dendê ou Óleo de Palma – aspetos Tecnológicos e Nutricionais.
Palestrante: Deusdélia Teixeira de Almeida –Nutricionista, Doutora em Ciência e Tecnologia de Alimentos, Professora Adjunta da Universidade Federal da Bahia – Escola de Nutrição.

12h - ALMOÇO.

13h30min – MESA REDONDA.
TEMA: Receitas e Cardápios de Dendê na Mesa Baiana.
Coordenação da Mesa: Raul Lody.
Participantes:
Beto Pimentel agrônomo, chef do Restaurante Paraíso Tropical;
Benjamim de Almeida Mendes – Farmacêutico Bioquímico, Doutor em Engenharia de Alimentos – FEA-UNICAMP, Professor dos cursos de EAD do SENAC –Ba;
Elmo Alves – instrutor de cursos de Educação Profissional da área de turismo e hospitalidade do Senac/Ba;
Luis Domingos – empresário e herdeiro do Restaurante Maria de São Pedro, 83 anos de tradição;
Ronaldo Barreto – Mestre em Hospitalidade pela Universidade Ahembi Morumbi, Assessor, Professor e Coordenador da área de A&B do Senac São Paulo.

15h45min - CAFÉ.

16h - CONFERÊNCIA.
TEMA: Dendê – Gastronomia e Cultura da Bahia.
Palestrante: Lígia Amparo – Nutricionista, Doutora em Ciências Sociais - PUC–SP, Professora Adjunta da Universidade Federal da Bahia – Escola de Nutrição.

17h30min - ENCERRAMENTO DO SEMINÁRIO.
Isabel Maria Macedo Alexandre - Coordenadora de Prospecção Editorial da Editora Senac São Paulo.

18h30min - LANÇAMENTO DO LIVRO:
Brasil Bom de Boca – Autoria: Raul Lody
Publicação da Editora Senac São Paulo
Sala São Salvador – Senac Pelourinho.

Investimento: R$70,00 (setenta reais). Almoço incluso no Restaurante Escola Senac Pelourinho (bebidas à parte). Inscrições até Julho:
Estudantes - 30% de desconto.
Profissionais – 10% de desconto.

Inscrições no mês de Agosto:
10% de desconto só para Estudantes.

Inscrições: Secretarias de cursos das Unidades do Senac: Aquidabã, Pelourinho e Casa do Comércio

Informações: (71) 3340-4000/ senac@ba.senac.br

terça-feira, 15 de julho de 2008

Iphan: Capoeira se torna patrimônio cultural brasileiro

Depois de dar a volta ao mundo e alcançar reconhecimento internacional, a capoeira se tornou o mais novo patrimônio cultural brasileiro. O registro desta manifestação foi votado no dia 15 de julho, em Salvador, pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), que é constituído por 22 representantes de entidades e da sociedade civil, e delibera a respeito dos registros e tombamentos do patrimônio nacional.

O instrumento legal que assegura a preservação do patrimônio cultural imaterial do Brasil é o registro, instituído pelo Iphan. Uma vez registrado o bem, é possível elaborar projetos e políticas públicas que envolvam ações necessárias à preservação e continuidade da manifestação.

Estiveram presentes ao evento o ministro interino da Cultura, Juca Ferreira, o governador da Bahia, Jacques Wagner, o presidente do Iphan, Luiz Fernando de Almeida, o presidente da Fundação Palmares, Zulu Araújo, os embaixadores da Nigéria e do Senegal, além de autoridades locais.

O presidente do Iphan anunciou a inclusão do ofício dos mestres da capoeira no Livro dos Saberes, e da roda de capoeira no Livro das Formas de Expressão. A divulgação e implementação dessa atividade em mais de 150 países se deve aos mestres, que tiveram sua habilidade de ensino reconhecida.

Segundo o ministro interino Juca Ferreira, a votação foi um momento de reparação em relação a esta prática afro-descendente. “Nós estávamos devendo isso aos mestres de capoeira, responsáveis por uma das manifestações mais plurais e brilhantes de nossa cultura”, afirma.

Diversos grupos de capoeiristas e reconhecidos mestres vieram de várias regiões do Brasil para acompanhar a votação. Num encontro representativo da presença da capoeira no país e no mundo, eles realizaram uma grande roda em frente ao Palácio Rio Branco, simbolizando o triunfo da manifestação, que já foi considerada prática criminosa no século passado (chegou a ser incluída no código penal da República Velha), e agora é reconhecida como patrimônio cultural .

Um grande evento em homenagem à capoeira foi realizado no Teatro Castro Alves, onde artistas como Naná Vasconcelos - percussionista que ampliou as possibilidades sonoras do berimbau-, Roberto Mendes, Mariene de Castro, Wilson Café e Ramiro Mussoto exaltaram a importância da manifestação.

O pedido de registro da capoeira foi uma iniciativa do Iphan e do Ministério da Cultura, e é o resultado de uma ampla pesquisa realizada entre 2006 e 2007 para a produção de conhecimento e documentação sobre esse bem imaterial. Todo o levantamento foi sintetizado num dossiê final que compõe o processo de registro.

O inventário da capoeira foi produzido por uma equipe multidisciplinar de profissionais, em parceria com as Universidades Federais do Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco e a Federal Fluminense, sob a supervisão do Iphan. As pesquisas foram realizadas no Rio de Janeiro, Salvador e Recife, principais cidades portuárias apontadas como prováveis origens desta manifestação, e locais onde havia documentação a respeito.

Preservação do patrimônio

O plano de preservação é uma conseqüência do registro, e prevê as seguintes medidas de suporte à comunidade capoeirística: um plano de previdência especial para os velhos mestres; o estabelecimento de um programa de incentivo desta manifestação no mundo; a criação de um Centro Nacional de Referência da Capoeira; e o plano de manejo da biriba - madeira utilizada na fabricação do instrumento - e outros recursos naturais, dentre outras.

Entende-se por patrimônio cultural imaterial representações da cultura brasileira como: as práticas, as forma de ver e pensar o mundo, as cerimônias (festejos e rituais religiosos), as danças, as músicas, as lendas e contos, a história, as brincadeiras e modos de fazer (comidas, artesanato, etc.), junto com os instrumentos, objetos e lugares que lhes são associados – cuja tradição é transmitida de geração em geração pelas comunidades brasileiras. Com a inclusão da capoeira, já existem 14 bens culturais registrados no Brasil.

Ver anúncio oficial e fotos aqui

Capoeira pode se tornar patrimônio cultural


15/07/2008 - 9h50m
*Da Redação, com informações do Jornal da Manhã e do G1
redacao@portalibahia.com.br


Iphan vai votar nesta terça-feira (15) pedido de registro. (Foto: oglobo.com)

A capoeira pode se tornar patrimônio cultural brasileiro. Nesta terça-feira (15), o Conselho do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) vai se reunir, em Salvador, para votar o pedido de registro da capoeira como próxima manifestação brasileira candidata a patrimônio cultural.

Cerca de vinte grupos baianos de capoeira, junto com outros do Rio de Janeiro e do Recife, devem se apresentar em frente ao Palácio Rio Branco, onde acontece a reunião.

À noite, haverá uma festa no Teatro Castro Alves. Na ocasião, será inaugurada a exposição 'Na Roda da Capoeira', com pinturas, esculturas em barro, instrumentos musicais, xilogravuras e folhetos de cordel que retratam o universo da dança.

quarta-feira, 9 de julho de 2008

Nota sobre Seminário Querino no Diário Oficial

Seminário vai resgatar a vida e obra do baiano Manuel Querino

Clique no link abaixo para abrir a página do Diário Oficial da Bahia - Virtual

http://flip.egba.ba.gov.br/reader/zomm.asp?pg=diariooficialdabahia_19739/33962

sábado, 5 de julho de 2008

Corpo Negro na Moda


Recebemos do Blog Belezas Negras:

A Vogue americana de abril publicou esta capa com o jogador de basquete LeBron e a modelo brasileira Giselle envolvida em seus braços.

A foto provocou uma polêmica entre os que atribuíam a uma exploração estereotipada da imagem do jogador com uma expressão associada, menos a um grito de "guerra" de um jogo e mais a imagem famosa do cartaz do filme com o gorila King Kong.

Leia, comente e vote na enquete em Belezas Negras